quarta-feira, 14 de março de 2018

Tema da Campanha da Fraternidade 2018 foi debatido em sessão especial realizada pela vereadora Concita Pinto



De autoria da vereadora Concita Pinto (PEN/Patriota), foi realizada no plenário Simão Estácio da Silveira, sessão especial para debater o tema “Fraternidade e superação da violência” “Em Cristos somos todos irmãos”, da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, com o objetivo de chamar atenção da sociedade para a defesa da construção de uma cultura de paz e a busca por políticas públicas mais eficientes e eficazes, na luta contra a violência nas suas múltiplas formas.

Para Concita Pinto, o tema da campanha veio no momento certo, pois a sociedade clama por mais segurança. Ela destaca também a importância da reestruturação do Estado no que se refere à segurança pública, além da participação de todas as esferas da sociedade no enfrentamento desse problema “Através da fraternidade reconhecemos cada pessoa humana como igual em dignidade e em direitos. Certamente, cada pessoa tem o seu papel, pode fazer algo. A responsabilidade do cidadão, do cristão é enorme e juntamente com os poderes públicos, podemos fazer a diferença para que tenhamos paz em nossos lares, no nosso ambiente de trabalho e em nossa cidade. A igreja nos chama para fazer essa reflexão e colocar-nos na figura de cada irmão para que haja verdadeiramente a superação da violência. E a Arquidiocese tem essa preocupação com essa temática, para valorização e conservação da vida humana”, afirmou a vereadora.




Durante o evento, o prefeito de São Luis, Edivaldo Holanda Júnior, foi representado pelo Secretário de Articulação Política, Jota Pinto. Ele afirmou, que o debate sobre o tema na Câmara de São Luis, é fundamental para que todos nós possamos despertar para a importância do nosso papel enquanto cidadãos “ De acordo com nossa Constituição Federal, segurança pública é dever do Estado, mas deve ser um compromisso de todos nós. Somente com a união de forças entre governo federal, estado, município e toda sociedade civil, é que vamos conseguir resultados satisfatórios no combate a todos os tipos de violência que assolam as famílias do nosso país”.

Para Neide Calvet, representante da Igreja Evangélica, a violência está diretamente ligada à formação da família “Toda violência acontece quando não temos uma família equilibrada, ensinando a seus filhos o caminho do Senhor. É no convívio familiar que aprendemos uns com os outros, a respeitar, partilhar, ter compromisso, disciplina e onde aprendemos a administrar conflitos”, disse.

O representante da Pastoral Familiar, Luis Carlos Pereira, alerta que a insegurança começa dentro dos próprios lares “ As vezes falamos em segurança e imediatamente pensamos no que acontece aqui fora, mas não podemos esquecer que dentro da família temos violência, e é exatamente aí,  que a igreja chama nossa atenção, ou seja, de que precisamos tratar nossos familiares como irmão”,declarou.

Também estiveram presentes ao evento, representantes da Segurança Pública do Estado, personalidades ligadas ao tema e a comunidade de modo geral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário